domingo, 27 de julho de 2008

Experiência 10


Muitas vezes engoli a fúria que me ardia nos olhos
e outras tantas ao sabor de sangue aquela que corroía a alma.
Faltou-me, durante muito tempo o equilíbrio suspenso das pontes
e a sabedoria dos juncos que dobram mas, nunca quebram
e, no fim, passou tempo demais, em que as lágrimas estavam... inevitavelmente, penosamente... envenenadas.

Os dias passaram, os meses e os anos também e sinto, que é no silêncio de um dia "preenchido" de amor ao nosso lado e compreensão que venho ganhando, não só, mais respeito por mim como, pelo outro que ao meu lado, independentemente de tudo o que sucede, permanece! Dever-lhe-ei, sempre isso senão muito mais.

Foi portanto, contudo, inesperado que num dia de grande quantidade de tarefas e extrema azafama, tenha entendido que parte da nossa paz (e saber) reside não só no perdão mas também no esquecimento total de certas coisas e pessoas.

Incrivelmente, depois disto, um "milagre" acontece: a vida continua, sem fúria, sem sangue e com mais equilíbrio e sabedoria... Ah, e passamos a sorrir muito mais.

Nota de rodapé: Dedicado a quem nunca esqueci mas, para quem (sempre) seguiu em frente, já me esqueceu e, tristemente, nunca disse TODA a verdade... um bem haja!

6 sakês:

Anónimo disse...

O milagre espera sempre por nós...se o deixamos acontecer! Tudo se renova e no alicerce do esquecimento natural, se constrói uma nova e mais feliz forma de viver os sentimentos.
Nem sempre é alegre a noção de que estamos num lugar por substituição mas nem isso nos deve fazer menos capazes de dar e receber!

Me Hate disse...

O lugar de substituição todos ocupamos mais cedo ou mais tarde... umas vezes nós, outras o outro mas, também é isso a renovação... o esquecimento passa pela vivência de novas realidades... as novas realidades constroem-se, muitas vezes com dificuldade mas... isso também é bom!

Nina Simone disse...

O amor é uma coisa muito bonita..., porque como diz o poema, pode ser dissociado da pessoa amada, e na tristeza da separação o amor resiste para provar a nossa humanidade. :-)

Luke Skywalker disse...

Concordo com os primeiros comentários contudo...

Nina... Lamento mas não posso concordar (no meu caso, e portanto isto só se aplicará a mim) eu sou tão mais humano quanto mais amor eu poder partilhar com alguém, de preferência, que me ame... Na separação sinto-me sempre metade daquilo que poderei vir a ser... enquanto humano!

Ana Oliveira disse...

Luke
Cá pra mim a nina tem razão, o amor é um sentimento demasiado forte e necessário à nossa humanidade. Por isso, mesmo quando sofremos por alguém, há no fundo de nós a certeza de que valeu a pena porque mais triste que "não poder dar amor a quem se ama" é não saber amar!
É claro luke que somos sempre metade quando não dividimos o que nos enche o peito com alguém a quem queremos e que nos quer...

Luke Skywalker disse...

Ana,

Começo a antever um "complot" entre ti e a a Nina... ;) No entanto tenho de concordar: mais triste do que amar e não ser amado, é não saber amar... enfim, cabeçadas da vida!


Blog Design by ThunderDrum. Based on a Blogger Template by Isnaini Dot Com and Gold Mining Companies. Powered by Blogger