quinta-feira, 10 de julho de 2008

Vivências 39...


Começo a pensar que talvez esta minha “ondinha de boa samaritana” tem de acabar: primeiro, não tenho tempo e o que tenho já gasto mesmo em dois empregos a ser boa samaritana, mesmo! Segundo, a maioria das pessoas acaba por não dar valor ao que dizemos e no fim, faz o que lhe dá na dita “real gana”. Terceiro: Ufffffffffffffffffff…

Ontem depois de um jantar maravilhoso (feito por “moi”) na boa vontade de animar um amigo (mesmo “para lá de Bagdad” de cansada) a conversa terminou assim:

- O meu namoro de 6 anos não resultou. Lutei como um louco para as coisas dessem certo, sacrifiquei possivelmente, os melhores anos da minha vida e para quê?


- Se foi sacrifício as coisas já estão erradas – disse-lhe com a calma do cansaço que sentia – porque senão não sentirias isso como… “peso”!


- Não sei se será bem assim… Acredito que por detrás disso está uma recordação (passada) lhe tenha deixado tão pesadas marcas no coração e nos nervos da minha ex-namorada que por isso ela tenha perdido alguma capacidade de amar? Será possível isso? E o que é amar?


- Por favor – disse-lhe cortesmente – eu sou apenas uma psicóloga e uma mulher… ainda por cima com noções e padrões acerca da vida fora do comum. Não sei como responder a perguntas desse género.


- Acreditas que um amor possa tão poderosamente influir numa alma, impedindo-a, mais tarde, de amar qualquer outro?


- Talvez – respondi prudentemente e algo circunspecta de quem já passou por muito na vida e não gosta de emitir juízos precipitados – Se ouvi coisas semelhantes? Sim! Muitas vezes?... Não!


- O que se passa com a nossa alma quando nos apaixonamos?


- Na alma não se passa nada – disse-lhe sem delongas e com o cansaço a avançar a passos largos – os sentimentos não se manifestam na alma, seguem outro curso mas, podem também revelar-se na alma, qual corrente transbordando como se fora uma cheia.


- Então és da opinião que uma pessoa, sendo racional, inteligente, pode controlar uma cheia…


- Caro amigo – já com alguma falta de paciência – Ocupei-me dessa questão diversas vezes, e devo responder que, dentro de certos limite, sim, é possível. Julgo que a razão não pode bloquear nem despoletar os sentimentos mas, eventualmente, pode discipliná-los… Pode: aprisioná-los!


- Que nem um felino portanto, privado da sua liberdade!


- Precisamente! No inicio ele irá passear-se para a frente e para trás, rugir de dor, desespero e fúria mas por fim, quebra, perde o pêlo e os dentes, envelhece faz-se triste e dócil. Quando isto acontece, é obra da razão. O felino, que pode ser um: puma. Depois de lhe domesticarmos os sentimentos, podemos abrir-lhe a porta da prisão… porque no fundo já não é nada, nem, puma, gato…


- Diz lá isso de forma mais simples…


- Perdoa-me mas não só a minha fraca capacidade mental não o consegue explicar de outra forma como, neste momento se apodera de mim um cansaço cada vez maior… Sei que gostavas que te dissesse que é possível aniquilar os sentimentos com a ajuda da razão mas estar-te-ia a mentir e de facto, não seria então tua amiga. Mas posso dizer-te, eventualmente, para te consolar que os sentimentos, nos casos mais felizes, podem ser domados e mortificados. Olha para mim, eu consegui: sou um pálido reflexo do que conheceste mas, apesar de tudo... Sobrevivi!


Passado pouco tempo, o meu amigo acabou por se retirar e deixar-me no profundo dos silêncios que há muito desejava…

2 sakês:

Vekiki disse...

É tão difícil falar de Amor...
É tão difícil definir o que é isso de Amar e se podemos ou não Amar mais do que uma pessoa ao mesmo tempo. Não podemos porque o Certo é que amemos um, um só de cada vez. Mas podemos, porque o nosso coração não tem cérebro, nem neurónios, nem nada dessas coisas que fazem de nós um animal racional. O nosso coração mantém-nos vivo por bombar o nosso sangue e também por nos fazer respirar mais rápido quando a sensação de falta de ar se instala. E quando ela se instala...como dizer ao coração que não podemos? Que de cada vez só podemos ter um alguém que nos faz respirar mais rápido?
É difícil falar de Amor!

Me Hate disse...

O amor é o que tem de ser para cada um de nós! Não se julga, não se impõe! E, acho, não tem forma clara de se exprimir... daí o título dos meus "post": Vivências. São minhas: nem boas nem más, nem correctas nem incorrectas, são e valem o que têm de valer por si,e depois, por mim, que é o mais importante (ha, ha, ha, ha...).

( A sério) O que escrevi portanto está correcto dentro da minha "caixa vivencial" não tem, não deverá estar, "correcta" dentro das vivências dos outros...

Ainda assim, obrigada pelo comentário aqui "deslargado".


Blog Design by ThunderDrum. Based on a Blogger Template by Isnaini Dot Com and Gold Mining Companies. Powered by Blogger